Página Inicial

 
 

A BRASTEXEL

 
 

A Raça Texel

 

  Origem  
  Padrão Racial  
  Cruzamentos  
  Características  
  A Chegada no Brasil  
  Registros na ARCO  
  Evolução da Raça  

 

A Carne de Texel

 
 

Galeria de Campeões

 
 

Galeria de Fotos

 
 

Informações Técnicas

 
 

Classificados

 
 

Boutique Texel

 
 

Sócios da BRASTEXEL

 
 

Quero Ser Sócio

 
 

Entre em Contato

 
 

Links

 
 

Classificados

 

 

Ver todos anúncios

Clique para ampliar

Introdução e Importações da Raça no Brasil

     Ao trazer os animais importados da Holanda, o criador gaúcho, Halley Marques, de Itaqui,RS,  em artigo publicado no Caderno Rural do Correio do Povo, de 21/07/72, destacou,  com o título acima, as características que mais chamaram sua atenção na raça Texel.

     Narques destacou ainda, a carta recebida por um produtor holandês, radicado no Uruguai, e responsável pela entrada da raça na América Latina, o produtor Enno Weinkebach, do Departamento de Taquarenbó. O holandês, por conhecer bem as características do Texel, lutou por mais de dois anos para conseguir introduzir a raça em seu novo País. Romper com a tradição de produção de ovinos laneiros, foi o maior obstáculo. Atitude reforçada  pelas características importantes da raça, de apresentar cascos resistentes à umidade e ainda lã com dificuldade de competição no mercado internacional pela espessura dos fios e qualidade, uma vez que aqui em nosso estado, chove em um mês, o volume que, em alguns países produtores de lã fina, chove em um ano.

     O introdutor da raça no Brasil destacou na época  que o objetivo dele ao trazer uma nova raça era alcançar o equilíbrio e harmonia  na produção e não gerar polêmica no criatório. Para o produtor, a raça Texel, traduzia exatamente isto. A harmonia e equilíbrio, entre a riqueza da carne magra que o mundo quer, e, a produção de lã de finura e qualidade superiores.

     A primeira importação feita no estado foi autorizada pelo Diretor Geral do Ministério da Agricultura, Dr. Arteche, que também importou alguns animais para o Ministério.

     Encerrando seu artigo, Halley Marques, disse. “E a estas horas, ovinos da raça Texel da Holanda, já em alto mar, dirigem-se para as planícies do Rio Grande do Sul, onde, a curto prazo hão de se multiplicar, em ritmo genético de gemealidade de 90%, índice jamais alcançado por outra raça ovina. Esta característica, e outras que serão objeto de comentários posteriores, identificam-na como a raça ovina mais produtiva do mundo.

     No Brasil, a raça foi introduzida em 1972, com animais importados da Holanda. Novas importações da França, da Holanda e da Alemanha, aconteceram a partir daí, que muito contribuíram para o aprimoramento da raça. Suas características chamaram a atenção de outros criadores que passaram a utilizar o TEXEL no cruzamento de seus rebanhos, no intuito de produzir maior quantidade e qualidade de carne nobre. Por sua precocidade, melhoramento de carcaça e por possuir lã branca é bastante utilizado em cruzamentos industriais.

     Hoje, encontramos TEXEL em diversas partes do território brasileiro, de Sul a Norte, pois é um animal que se adapta muito bem aos vários  tipos de solo, clima e pastagem, podendo ser explorado extensivamente, em associação com bovinos.

     O criador Halley R. Marques lendo uma revista sobre ovinos ficou impressionado com a raça TEXEL, criada na Holanda, por possuir cascos muito resistentes à umidade, sua grande preocupação com os ovinos criados em Itaqui/RS. Apoiado por Luiz Fernando Cirne Lima, Ministro da Agricultura da época, e por Ezelino Arteche, Secretário-Geral do Ministério, tomou a decisão de criar TEXEL no Brasil.

     Em 1972, chegaram os animais ao Rio Grande do Sul, participando da EXPOINTER daquele ano. Na época, mantinha uma parceria com a criadora Ligia Vargas Souto, a qual aceitou sociedade nos animais importados da Holanda. Participaram também dessa importação os criadores Gilberto da Costa Fonseca, Osmar Mesquita Vargas e Theodorico Andrade (ver matéria na página ao lado).

     Em janeiro de 1983, a primeira importação da França foi realizada pelo criador Paulo Aguinsky, da Cabanha Dedo Verde, quando chegaram ao Brasil dois machos e cinco fêmeas.

     Em 1988, chegaram ao Brasil seis carneiros importados pelos criadores Carlos Sperotto, David Martins e João Laitano.

     Em março de 1994, o criador Lenomir Trombini realizou a primeira importação da Alemanha e realizou um remate em Porto Alegre oportunizando aos criadores de Texel adquirirem sangue alemão para seus plantéis.

     As importações são apresentadas nas tabelas abaixo, conforme registros da ARCO - Associação Brasileira de Criadores de Ovinos.

ANO: 1972 - DA HOLANDA

ANO: 1974 - DA HOLANDA

ANO: 1975 - DA HOLANDA

ANO: 1976 - DA HOLANDA

ANO: 1977 - DA HOLANDA

ANO: 1978 - DA HOLANDA

ANO: 1979 - DA HOLANDA

ANO: 1980 - DA HOLANDA

ANO: 1981 - DA HOLANDA

ANO: 1982 - DA HOLANDA

ANO: 1983 - DA FRANÇA

ANO: 1988 - DA FRANÇA

ANO: 1989 - DA FRANÇA

ANO: 1990 - DA HOLANDA E ALEMANHA

ANO: 1991 - DA FRANÇA

ANO: 1992 - DA HOLANDA E DA FRANÇA

ANO: 1994 - DA FRANÇA E ALEMANHA

ANO: 1995 - DA HOLANDA E ALEMANHA

ANO: 1996 - DA ALEMANHA

Importação de Sêmen pela Ovicon – da França

© 2006-2014 Brastexel - Powered by CIS Manager - Desenvolvido por Construtiva em parceria com Via Informação - Página Rural